Carreira

Conheça as 10 Residências Médicas Mais Concorridas no Brasil

O sonho de muitos estudantes do ensino médio é entrar na faculdade de medicina, um dos cursos de graduação que sempre esteve entre os mais concorridos desde tempos imemoráveis.

O que os estudantes que conseguiram entrar na faculdade de medicina descobrem, no entanto, é que – se eles pretendem ir além da graduação e se especializarem – o vestibular provavelmente foi a prova com menor concorrência que precisaram prestar durante seus caminhos como médicos.

As provas de residência médica, devido ao fato destas possuírem pouquíssimas vagas em sua maioria, costumam contar com uma concorrência média de acesso muito mais alta que a do curso de medicina. 

Não temos, no Brasil, vagas de residência o suficiente para acomodar todos os formados em medicina anualmente.

De acordo com o Demografia Médica de 2020, 38,7% dos médicos em atividade no país – o que corresponde a cerca de 185.000 – não passaram pela residência médica.

Neste texto falaremos sobre uma parte ainda mais estreita deste funil: as residências médicas mais concorridas.

10 Residências Médicas Mais Concorridas

Abaixo listamos dez das residências médicas mais concorridas e especialidades mais procuradas para residência médica em 2022, seus pré-requisitos e tempo de duração.

Contudo, lembre-se de que alta procura nem sempre quer dizer alta concorrência, pois algumas das áreas mais procuradas – como clínica médica e cirurgia geral – possuem mais vagas do que outras na maior parte das instituições.

Clínica Médica 

É uma das cinco grandes áreas da medicina (constituídas por clínica médica, cirurgia geral, pediatria, ginecologia/obstetrícia e medicina preventiva). A clínica médica é o pré-requisito para o maior número de sub-especialidades dentro da medicina, por isso conta sempre com a maior procura.

Dá ao médico uma boa visão holística do paciente, e é mais voltada ao diagnóstico e ao tratamento conservador do que aos procedimentos. Foca na saúde do adulto. Possui duração de dois anos e é de acesso direto – ou seja, não tem outra área como pré-requisito.

Cirurgia Geral 

Outra integrante das grandes áreas, possui a segunda maior procura dentre as especialidades médicas. É a área para o médico que gosta de procedimentos, de resolutividade rápida e de por a mão na massa.

A residência em cirurgia conta com um dos cronogramas mais pesados dentre todas as áreas. Desde 2019, deixou de ter dois e passou a ter três anos de duração caso o médico pretenda obter o título de especialista em cirurgia geral.

Quem pretende escolher a cirurgia como pré-requisito para uma sub-especialização pode cursar a cirurgia básica, que ainda conta com dois anos de duração – mas o médico recebe apenas um certificado de competência, não o título (este só virá após a conclusão da sub).

É de acesso direto.

Pediatria 

A pediatria foca na saúde da criança. Pode ser descrita como uma versão da clínica médica, mas voltada para a criança. Dentro dela há muitas sub-especializações, tais como a neonatologia (o cuidado dos recém-nascidos), a cardiologia pediátrica, a pneumologia pediátrica, entre outras.

Conta com três anos de duração e tem acesso direto.

Ginecologia e Obstetrícia 

Com a quarta maior procura no mercado, a G.O. foca na saúde reprodutiva da mulher – com alguns especialistas escolhendo focar apenas no período gestacional e outros cuidando do sistema reprodutor como um todo.

Possui três anos de duração e é de acesso direto.

Anestesiologia

A anestesiologia é a área que cuida da manutenção vital e da anestesia do paciente durante uma cirurgia. É uma área com grande procura hoje, por oferecer um bom estilo de vida ao médico ao mesmo tempo que paga bons salários.

Possui três anos de duração e é de acesso direto. Conta com uma sub-especialização que anda em alta no mercado, a medicina da dor – onde o médico não trabalha apenas em centro cirúrgico, mas pode também manter um consultório, onde atende pacientes que lidam com dores crônicas.

Ortopedia e Traumatologia

A ortopedia e traumatologia é a área que cuida, principalmente, do sistema músculo-esquelético de um paciente: ossos, músculos, ligamentos, tendões e articulações. Envolve muita cirurgia, mas bastante tempo ambulatorial.

Tem acesso direto e possui três anos de duração. Conta com várias sub-especializações.

Cardiologia

É a área que foca no sistema cardiovascular do paciente. Dentre as áreas da clínica médica, ainda é a mais procurada. Envolve muito contato pessoal e um relacionamento longitudinal com os pacientes – pois várias das doenças cardiovasculares são crônicas. 

Há sub-especializações que focam em procedimentos, para aqueles que não gostam tanto assim de consultório.

Tem como pré-requisito a clínica médica – embora algumas instituições, ainda que poucas, ofereçam a cardiologia com acesso direto. Conta, na maioria dos serviços, com dois anos de duração.

Dermatologia 

Dermatologia é a área que estuda pele e fâneros. O dermatologista pode focar em estética, uma área que vem crescendo bastante nos últimos anos; no tratamento de doenças de pele e/ou cabelos; na realização de procedimentos minimamente invasivos; entre outros.

A residência costuma ter uma carga horária tranquila, e o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal do dermatologista já titulado é um ponto positivo. É de acesso direto e possui três anos de duração.

Radiologia 

A radiologia é uma área altamente focada no diagnóstico de doenças. Hoje em dia, praticamente todas as outras especialidades recorrem ao radiologista para realização e/ou complemento de um diagnóstico.

O médico radiologista realizará e avaliará radiografias, ultrassonografias, tomografias, ressonâncias magnéticas e outros exames de imagem. Há também a radiologia intervencionista, onde o médico realiza intervenções minimamente invasivas guiadas por imagem.

A residência dura três anos e é de acesso direto.

Oftalmologia

O oftalmologista trabalha com a saúde ocular. É uma área muito procurada por, como a dermatologia, oferecer um excelente equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

O oftalmologista raramente dá plantões e, se dá, estes são externos (o profissional só vai à emergência quando chamado). Por isso, mesmo na residência, a carga horária costuma ser bastante tranquila.

É uma área bastante focada em procedimentos – ou seja, gostar de trabalhar com as mãos é um requisito. As sub-especializações estão ficando cada vez mais comuns, uma vez que o mercado tem se tornado um pouco saturado e, portanto, cada vez mais competitivo.

Dura três anos e também é de acesso direto.

Quais são os principais obstáculos para ingressar na residência médica?

Principais obstáculos da residência médica

Concorrência da prova

Como conversamos na introdução, a concorrência da prova de residência costuma ser muito alta, afinal, não temos tantas vagas quanto médicos formados.

Só para dar um exemplo: a FMUSP, uma das faculdades de medicina (e, por consequência, residências) mais almejadas do país, teve 125 candidatos para a residência em Cirurgia Geral em 2021, que possui só 3 vagas. A relação candidato/vaga, nesse caso, foi de 41,67.

Valor da prova

O preço das inscrições para as provas de residência costuma ser alto. Em alguns casos, pode exceder os R$ 1000 reais.

Considerando que o recém-formado pode ter acabado de começar a trabalhar ou nem mesmo ter começado, um valor desses não é brincadeira.

Portanto, a maior parte dos candidatos não pode sair fazendo inscrições a torto e a direito em todas as instituições, tendo que escolher as preferidas e/ou as que têm mais chances de ser aprovado.

Rotina de estudos

A rotina de estudos pode ser muito pesada mesmo para quem se dedica exclusivamente a ela. Para piorar, esse não é o caso da maioria dos candidatos.

Alguns ainda estão terminando a faculdade, ou seja, tendo que lidar com provas e atividades curriculares enquanto estudam para a residência; outros já estão trabalhando e precisam encaixar essa rotina dentro de uma outra, a dos plantões.

Veja abaixo uma live com a nossa coach, Diana Sette, sobre como organizar seu estudo para ser residente em 2022:

Como se preparar para ingressar na residência?

Em primeiro lugar, o candidato precisa se atentar aos editais referentes aos locais onde ele quer prestar a prova de residência. Anotar datas, requerimentos e detalhes específicos de cada um.

Em segundo, é importante frisar que não se deve escolher uma especialidade sem ter o perfil para ela. Você pode, por exemplo, passar por um teste vocacional para ver com quais áreas mais se identifica antes de tomar a decisão final.

Reserve um ambiente calmo para os estudos

Nossa atenção é um recurso muito limitado, que anda sendo desperdiçado em demasia graças às tecnologias atuais – que possuem benefícios, claro, mas seu efeito na dispersão de atenção tem sido sentido com muito impacto, especialmente pela nossa geração.

Certifique-se de estudar em um ambiente silencioso, bem iluminado e isento de distrações o máximo quanto possível.

Se atente a essas técnicas.

Faça simulados de provas anteriores

Aqui no EMR nós temos a rodada de simulados. Separamos as questões mais relevantes das bancas mais concorridas do país e montamos simulados gerais para você praticar, aprender e revisar toda semana.

Conheça os cursos intensivos do Eu Médico Residente

Temos cursos intensivos tanto para estudantes do 5º quanto do 6º ano de medicina, focados nas provas da SURCE e da SES-PE. Nosso método inclui vídeo aulas, apostilas, simulados, exercícios de fixação e vários outros métodos testados e aprovados por ex-alunos que, hoje, são residentes.

Utilize o método de flashcards.

Leia nosso texto mais detalhado sobre a prova de residência.

Conclusão

Este texto foi escrito com o propósito de ser um guia para os alunos de medicina e médicos que se sentem inclinados naturalmente a alguma das áreas nele citadas, mas querem entender quais são as residências médicas mais concorridas

Escolher uma especialidade pelo prestígio, alta concorrência ou remuneração nunca é uma boa estratégia.

Inclusive porque, se você não é apaixonado de verdade por nenhuma delas, o estudo – que já é difícil para quem é – ficará muito mais maçante. A residência em si, então, será uma verdadeira provação.

Por isso se certifique de que você possui as motivações e o perfil adequado para ingressar nessas especializações. Só com um propósito claro em mente você terá o afinco necessário não só para ser aprovado na prova de residência, mas também para enfrentar seus longos anos.

Continue lendo... 

Entenda como funciona a residência em Cardiologia, áreas de atuação, rotina e salário

Como é a residência em Anestesiologia? Duração e salário

Entenda o que é a residência em Pediatria, subespecialidades e como é o mercado de trabalho