Carreira

Como é a Residência em Anestesiologia? Duração e Salário

Juntamente à radio, à oftalmo e à dermatologia, a residência em anestesiologia faz parte das especialidades “ROAD” (em português, “caminho” ou "estrada"). 

Este foi um acrônimo criado nos Estados Unidos para indicar especialidades que conferem a seus praticantes uma boa compensação financeira associada a um estilo de vida que, comparado aos demais, oferece um excelente balanço entre trabalho e lazer.

Leia também:

O que é a residência em anestesiologia?

Ao contrário do que diz a piada comum no meio médico, ser anestesiologista envolve muito mais do que colocar pacientes para dormir durante uma cirurgia e, enquanto ela ocorre, resolver palavras cruzadas – ou, numa versão mais atual, rolar as timelines das redes sociais num iPad.

O anestesista é o principal responsável pela manutenção vital do paciente que está em cirurgia, agindo no controle de sua dor, mobilidade, hemodinâmica, oxigenação e nível de consciência. 

Em resumo, é isso que ele vai aprender a fazer na residência.

Como é a residência em anestesiologia?

A residência em anestesiologia dura no mínimo 3 anos. Isso se o profissional não quiser fazer uma sub-especialização depois – a sub em medicina da dor, por exemplo, é uma das que anda crescendo na área.

Trata-se de uma especialidade de acesso direto, ou seja, sem pré-requisitos. Ela tem se tornado mais concorrida ao longo dos últimos anos, pois cada vez mais médicos estão procurando um bom balanço entre vida pessoal e profissional.

A relação candidato/vaga para a residência de anestesiologia no Hospital das Clínicas da USP em 2021, por exemplo, foi de 17,29 – com o serviço oferecendo 34 vagas.

Para efeito de comparação, no mesmo ano a concorrência de ortopedia girou em torno de 12; a de pediatria, 11; a de clínica médica, 23.

Como é a rotina do especialista em anestesiologia?

Pelo menos durante a residência de anestesiologia, conte com muito tempo dentro do centro cirúrgico. É imprescindível que o estudante de medicina ou médico que esteja considerando essa especialidade leve em conta sua afinidade pelo local.

O anestesista está presente no pré, intra e pós-operatório do paciente, mas a maior parte do seu trabalho acontece no intra — ou seja, numa sala de cirurgia.

Sendo assim, normalmente a rotina é dentro de um hospital. O profissional pode escolher ser plantonista, parte de um grupo de anestesistas ou trabalhar com um cirurgião específico.

Porém, se para você é imprescindível manter algum contato clínico com os pacientes, uma ótima escolha é a subespecialização em dor. 

A medicina da dor é uma das áreas que mais cresce no Brasil e no mundo atualmente, graças a fatores como o envelhecimento da população e a maior atenção médica voltada ao conforto e funcionalidade de seus pacientes.

O anestesista com especialização em dor terá seus pacientes e seu consultório, sozinho ou com colegas em um centro maior de dor, que poderá inclusive contar com profissionais de outras áreas da saúde.

Ele fará intervenções medicamentosas e procedimentos minimamente invasivos em seus pacientes, com quem normalmente terá contato por um longo tempo. Se você gosta de anestesiologia e também de contato longitudinal com os pacientes, este pode ser o caminho.

Como está o mercado e as oportunidades de trabalho?

O mercado da anestesiologia é um em crescimento. 

Como mencionado acima, o anestesista que trabalha em hospitais poderá escolher entre um caminho de plantões (que normalmente são muito bem pagos), participar de um grupo só de anestesistas ou a parceria com um ou mais cirurgiões.

Se escolher se enveredar pela medicina da dor, tudo indica que o momento também é de crescimento. A dor crônica é o principal motivo de afastamento do trabalho no mundo todo e nós, médicos, começamos a voltar nosso olhar para o tamanho do problema.

As clínicas de dor têm se popularizado bastante durante os últimos dez anos, principalmente nos grandes centros, e a especialidade não dá sinais de saturação. Aos poucos elas começam a surgir em cidades menores, uma vez que a demanda existe.

Quando ganha um residente de anestesiologia? E um profissional?

Um residente em anestesiologia recebe a mesma bolsa que os residentes de todas as outras especialidades, que desde 2016 foi fixada em R$ 3.330,43 mensais.

Em relação ao salário do profissional, varia muito de acordo com a carga horária, o tipo de trabalho – consultório, hospital, ambos – e a região em que o profissional trabalha.

Os dados a respeito do salário médio de um anestesiologista no Brasil variam de acordo com local e fonte da pesquisa, mas, a fim de fornecer uma base aos leitores, chegamos a uma média de R$ 20 a 30.000,00 por mês para uma jornada de 40 horas semanais.

Abaixo, trouxemos dados retirados do Guia de Carreira a respeito da remuneração do anestesiologista (correspondente a 20 horas semanais).

Nível de experiência Pequena empresa Média empresa Grande empresa
Trainee (até 2 anos) R$ 5.121,00 R$ 6.658,00 R$ 8.665,00
Júnior (2 a 4 anos) R$ 6.402,00 R$ 8.323,00 R$ 10.819,00
Pleno (4 a 6 anos) R$ 8.002,00 R$ 10.403,00 R$ 13.524,00
Sênior (6 a 8 anos) R$ 10.003,00 R$ 13.004,00 R$ 16.906,00
Master (mais de 8 anos) R$ 12.504,00 R$ 16.255,00 R$ 21.132,00

Quais características devo ter para fazer residência em anestesiologia?

  • Capacidade de decisão e espírito de liderança: Saber trabalhar sob pressão é um pré-requisito para quem pensa em anestesio. Embora cirurgias transcorrem com tranquilidade em sua maioria, principalmente quando eletivas, sempre haverá pacientes e procedimentos com maior risco. Saber manejar pacientes difíceis, uma parada cardiorrespiratória e outras emergências com segurança e agilidade é imprescindível para o anestesista, bem como liderar o time de forma responsável.
  • Calma: Como citado acima, situações de emergência são parte do dia a dia do anestesista. Manter a calma nelas é essencial, pois, sem calma, a segurança e a capacidade de decisão deixam de existir.
  • Atenção aos detalhes: Uma especialidade “hands on” é aquela em que o médico literalmente precisa colocar a mão na massa. A anestesio é uma delas.
  • Estar familiarizado com procedimentos delicados e detalhistas como intubação rotraqueal, punções, bloqueios periféricos, anestesia epi e peridural, coleta de líquor e outros será vital a um anestesista, bem como a titulação exata de drogas.
  • Raciocínio sobre algoritmos: Pacientes críticos muitas vezes não lhe deixam tempo para recorrer ao conhecimento teórico extenso que aprendemos na faculdade. O uso de algoritmos é importante para a sistematização do manejo do paciente em quase todas as situações, sejam elas emergenciais ou não.
  • Outras três afinidades, essas mais acadêmicas, também são bem importantes. A anestesiologia é fundamentada em duas grandes áreas da medicina: fisiologia e farmacologia

Ela também usa muito do conteúdo ensinado em neurologia. Se o aluno ou o médico não se interessa naturalmente por elas, é melhor que fique longe da anestesio.

Qual a diferença entre anestesista e anestesiologista?

diferença entre anestesista e anestasiologista

Nenhuma. “Anestesista” é só um termo mais informal, que usamos na prática. “Anestesiologista” é o termo mais acadêmico.

Qual a melhor residência de anestesiologia no Brasil?

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia possui 98 serviços credenciados em sua base. Definir quais são os melhores é sempre uma tarefa complexa, pois depende muito do objetivo do médico e de seu aproveitamento durante esse período.

De qualquer forma, temos como um bom guia o relatório de 2020 dos CET da própria SBA, ranqueando as instituições por percentil. Aqui constam as dez mais bem colocadas: 

Matrícula Centro de ensino e treinamento Quartil
9102
CET HOSP.G.DO INAMPS FORTALEZA
4º quartil
9103
CET CENTRO ANESTESIOL.UNIV.DE BRASILIA
4º quartil
9104
CET DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL
4º quartil
9106
CET S.A.HOSP.CLIN.FAC.MED.UFMG
4º quartil
9112
CET HOSP.DAS CLÍNICAS DA UFPE
4º quartil
9114
CET S.ANEST.E MED.PERIOP.DO HCPA - SAMPE
4º quartil
9115
CET DO SANE
4º quartil
9133
CET DO CENTRO MÉDICO DE CAMPINAS
4º quartil
9135
CET S.A.HOSP.SERVID.PUBL.DE SP
4º quartil
9138
CET DA DISCIPLINA DE ANESTESIOL.DA FMUSP
4º quartil
9139
CET CLÍNICA DE ANEST.RIBEIRÃO PRETO-CARP
4º quartil
9143
CET DISC.ANEST.DOR E TER.INT.UNIFESP/EPM
4º quartil
9144
CET STA.CASA MISER.DE S.PAULO
4º quartil
9148
CET DEP.ANEST.DA F.M.BOTUCATU
4º quartil
9151
CET INTEGRADO DA FAC. DE MEDICINA DO ABC
4º quartil
9156
CET PROF SILVIO RAMOS LINS
4º quartil
9159
CET S.A.INST.DR.JOSÉ FROTA
4º quartil
9176
CET INT. DO INST. DE ANESTESIOLOGIA DO AM
4º quartil
9179
CET SERV. ANEST. JUIZ DE FORA
4º quartil
9182
CET S.A.HOSPITAL SÃO RAFAEL
4º quartil
9184
CET CET DO INST. MATERNO INFANTIL PE - IMIP
4º quartil
9186
CET SÃO PAULO-SERV.MÉD.DE ANEST.S/C LTDA
4º quartil
9189
CET DA ASSOC.OBRAS SOCIAIS IRMÃ DULCE
4º quartil
9220
CET SIANEST/HOSPITAL FLORIANÓPOLIS-CEPON
4º quartil
9222
CET MENINO JESUS DE PRAGA
4º quartil
9233 CET HOSP.STA.GENOVEVA DE UBERLÂNDIA - MG 4º quartil

Como se preparar para a residência em anestesiologia?

Assista aqui à gravação de uma live com o 1º colocado em anestesio na SES-PE 2020!

Conclusão

Infelizmente, algo que poucos consideram na hora de escolher a residência em anestesiologia é o famigerado reconhecimento — mais precisamente, a falta dele. Existe um ditado comum nas cirurgias: “se o anestesista fizer seu trabalho direito, o paciente não se lembrará dele”.

O ditado é uma hipérbole, claro, mas a realidade acaba não sendo tão distante. O centro cirúrgico é, por definição, o domínio do cirurgião. Para ser anestesista, você precisa estar confortável com o fato de trabalhar nas sombras.

Você terá menos contato com o paciente do que seu cirurgião, o verá menos e muitas vezes não será lembrado na hora dos agradecimentos, embora seu trabalho tenha sido essencial. 

Assim, o médico que procura um contato mais profundo e reconhecimento por parte de seu paciente, raramente se sentirá satisfeito no papel de anestesista. A não ser, claro, que ele escolha clinicar e se enveredar pela área da dor.

O médico, porém, que procura um estilo de vida menos workaholic mas ainda quer ser bem recompensado financeiramente; que gosta de fisiologia, farmacologia e tem interesse por neuro; que gosta do centro cirúrgico e de realizar procedimentos; que sabe manter a calma quando as coisas dão errado e trabalha bem sob pressão; que não se importa em não ter contato longitudinal com seus pacientes nem receber os holofotes pelo trabalho que faz… será um anestesiologista muito satisfeito com sua escolha de profissão.

Continue lendo: