Carreira

Residência em Clínica Médica: Entenda o que é, Rotina, Áreas de Atuação e Remuneração

A escolha sobre qual será a especialidade médica nem sempre é fácil. Por isso, hoje vamos falar sobre mais uma área, a clínica médica.

Falaremos sobre a rotina, as áreas de atuação e como é o mercado de trabalho, a fim de sanar todas as suas dúvidas e facilitar a sua decisão.

A residência em clínica médica é o programa de residência que possui o maior número de vagas e é uma das residências mais concorridas do Brasil.

Ela tem um amplo campo de atuação, pois também é pré-requisito para a maioria das sub-especialidades clínicas

De acordo com o demografia médica 2020, esta especialidade é a que possui o maior número de profissionais do Brasil, são aproximadamente 49 mil (11,3%) de um total de 432.579 especialistas.

A residência em clínica médica foca no cuidado do adulto, prestando assistência em todos os graus de complexidade. 

Trabalhando na prevenção, diagnóstico e no esquema terapêutico não cirúrgico dos pacientes.

Sendo assim, quem opta por essa área pode prestar atendimento ambulatorial, em consultório, pode atuar na emergência ou como hospitalista (prestando cuidado integral aos pacientes internados).

O Que É Residência em Clínica Médica?

O Que É Residência em Clínica Médica?

A residência em Clínica Médica é o período de estudos para se tornar um clínico geral, também conhecido como médico clínico ou médico internista. Sendo uma especialidade com acesso direto e duração de 2 anos.

Também é oferecido um ano adicional para esta área (R3), mas é preciso realizar uma outra prova.

 Isso porque a clínica médica é pré-requisito para todas as subespecialidades clínicas, exceto dermatologia e neurologia.

Veja abaixo algumas dessas subespecialidades:

  • Gastroenterologia;
  • Geriatria;
  • Pneumologia;
  • Hematologia;
  • Nefrologia;
  • Nutrologia;
  • Medicina Intensiva;
  • Reumatologia.

Como Funciona a Residência em Clínica Médica?

A residência em clínica médica é uma especialidade generalista, que tem a atenção básica como sua grande aliada.

O médico se dedica à prevenção, ao diagnóstico e tratamento (não-cirúrgico) do paciente. Atuando dos casos mais complexos aos mais simples.

O especialista acompanha o paciente por vários anos, a partir dos 18 anos até ele ficar idoso. Resolvendo a maior parte dos problemas de saúde do indivíduo, criando uma relação de confiança com ele e com a sua família.

Vale lembrar que, para se tornar um clínico geral é preciso fazer a prova de residência em Clínica Médica ou a pós-graduação em medicina interna. Apenas a graduação em medicina não é suficiente para receber esse título.

Qual a Rotina de Um Residente em Clínica Médica?

Qual a Rotina de Um Residente em Clínica Médica?

Os residentes em clínica médica, de maneira geral, passam por atividades ambulatoriais, de emergência e hospitalares. Também têm os rodízios em especialidades e as atividades acadêmicas e de pesquisa.

Normalmente a carga horária corresponde a 60 horas semanais e os estágios duram cerca de um ou dois meses. Nos dois anos de residência, os residentes rodam por especialidades como cardiologia, nefrologia, geriatria e oncologia.

Assim como também pelas unidades básicas de saúde, de terapia intensiva e semi-intensiva e pelo pronto-socorro.

Quais as Áreas de Atuação de Um Médico Internista?

As principais áreas de atuação do médico internista são a medicina interna, onde atua como diarista - fazendo visitas aos pacientes internados - ou como hospitalista, prestando um cuidado integral a eles.

Ele também pode ser plantonista e atuar em ambulatório/consultório, já que engloba a atenção primária e lida com uma quantidade considerável de doenças agudas e crônicas. Além disso, pode auxiliar nos períodos pré e pós-operatórios.

O especialista em clínica médica também presta serviços periciais nas instituições públicas, trabalha em escolas e nas empresas para pronto-atendimento.

Sendo assim, pode atuar em diversos cenários que incluam a prática ambulatorial, as emergências médicas e os pacientes hospitalizados.

Vale lembrar também que, a maior parte dos médicos emergencistas são clínicos.

Como É o Mercado de Trabalho de Um Médico Internista?

O mercado de trabalho é bem concorrido, já que é a área com o maior número de especialistas. Além de ser amplo e bastante diversificado.

A busca pela medicina preventiva que ocorreu nas últimas décadas, contribuiu para a valorização do médico internista.

Por causa da sua gama de conhecimento ele está habilitado a trabalhar no setor público e privado, e, também, nas mais diversas instituições.

Aqueles que escolhem trabalhar nas salas de emergência ou como diaristas, quase sempre trabalham em regime de plantão. Sendo assim, como ocorre na maioria dos plantões a remuneração normalmente é fixa, condizente às horas trabalhadas.

A rotina é mais estressante, pois lida com pacientes mais críticos. Para mais, é possível trabalhar na ambulância e na terapia intensiva.

Já o médico clínico que atende em consultório molda a sua carga horária e, consequentemente, a sua remuneração.

Ele pode montar um consultório com outros especialistas ou terceirizar os seus atendimentos por clínicas privadas.

Nas instituições acadêmicas, por exemplo, os recursos para trabalhar na investigação são maiores, e assim, facilitando a montagem de um esquema terapêutico adequado ao problema.

O profissional pode contar inclusive com uma equipe multidisciplinar. Já no serviço público, o trabalho do médico internista esbarra nas limitações do SUS.

Os recursos para investigação do problema já não são tão abrangentes, impactando diretamente na qualidade do tratamento oferecido.

Também é possível prestar serviço militar. Então, os clínicos podem trabalhar para o Corpo de Bombeiros, Forças Armadas e nos quartéis da Polícia Militar.

Qual a Remuneração de Um Médico Internista?

A média salarial do médico clínico gira em torno de 7 a 16 mil reais por 24 horas de trabalho semanais. Isso varia de acordo com a experiência profissional e a região do país onde está atuando.

Desse modo, por causa da concentração de médicos na região Sul e Sudeste, aqueles que trabalham no interior possuem um salário maior.

Com isso, quanto maior for a demanda pelo especialista, maior será o salário.

Quais as Principais Habilidades Necessárias Para Um Residente em Clínica Médica?

O residente em clínica médica precisa ser curioso, atento e precisa estar sempre atualizado, a fim de construir um grande aporte de conhecimento médico.

Ele precisa pensar criticamente, refletir, questionar, fazer perguntas ao longo do processo de diagnóstico diferencial e na adoção do esquema terapêutico.

Além disso, deve ter uma organização mental para interpretar os sinais e sintomas, para entender os mínimos detalhes e solucionar os problemas.

Tudo isso porque ele lida com uma quantidade grande de doenças, então precisa saber qual a melhor conduta para cada uma delas.

O residente também deve estar sempre preparado para eventuais emergências e, também, deve entender as suas limitações e saber a hora de trabalhar junto com outros profissionais.

Dúvidas Frequentes (Guia Rápido)

Quantos Anos é a Residência de Clínica Médica?

A residência em Clínica Médica tem duração de dois anos, mas se o residente optar por alguma subespecialidade clínica - que não seja neurologia ou dermatologia - pode fazer mais um ano. Contudo, é preciso realizar outra prova.

Qual É a Diferença Entre Clínica Médica e Clínica Geral?

A clínica médica é a residência médica com acesso direto. Sendo pré-requisito para algumas outras áreas clínicas.

Já a clínica geral é a pós-graduação em medicina interna. Assim, o médico clínico pode exercer a profissão tanto se for pós-graduado, quanto se tiver feito a residência.

Quanto Um Residente de Clínica Médica Ganha?

Em média de 7 a 16 mil reais por 24 horas de trabalho semanais.

Conclusão

A residência em Clínica Médica é a primeira mais concorrida do Brasil, então se você optar por ela, estude bastante!

Lembre-se que além do seu conhecimento, a prova de residência médica conta também com as suas atividades complementares exercidas ao longo da graduação.

O clínico é um médico generalista, por isso, precisa ter um leque bastante abrangente de conhecimento médico. Se manter atualizado é essencial.

Depois de formado, o internista também tem um vasto mercado de trabalho, sendo uma das vantagens dessa especialidade, sobretudo, se você é uma daquelas pessoas que estão sempre em busca da novidade.

Leia mais:

Residência em Neurocirurgia: Como é, Salário, Atuação e Rotina

Pé diabético: quadro clínico, diagnóstico e tratamento

Saiu o meu edital para a prova de residência médica, e agora?