Estudo
Publicado em
18/5/22

Tuberculose congênita e perinatal: o que é, tratamento e profilaxia

Escrito por:

A tuberculose (TB) é uma das doenças mais antigas do mundo. Registros históricos mostram que foi encontrada pela primeira vez em múmias egípcias, anos antes de Cristo. 

No Brasil, ela é uma doença endêmica. Por isso, o país é considerado um dos 30 países com alta carga de contágio, sendo uma doença muito prevalente em nosso meio.

Distribuição da tuberculose no mundo. Fonte: https://pt.khanacademy.org/science/health-and-medicine/infectious-diseases/tuberculosis/a/what-is-tuberculosis
Distribuição da tuberculose no mundo. Fonte: Khan Academy Health and Medicine 

Sendo assim, o manejo da tuberculose congênita e perinatal é um tema de extrema relevância. Não somente na prática dos pediatras, como também para a sua prova de residência.

Portanto, não perca mais um post do EMR para contribuir com a sua formação!

O que é e como identificar a tuberculose perinatal?

A tuberculose perinatal é uma forma rara da doença, definida como a tuberculose do recém-nascido (RN). 

Ela pode ocorrer durante a gravidez, sendo então denominada congênita, ou durante o período perinatal. 

Tuberculose congênita

Esse tipo de TB pode ocorrer por disseminação hematogênica, quando entra em contato com o sangue da mãe no parto, ou por infecção transplacentária, cuja infecção primária acomete o fígado do feto.

E ainda, quando há ingestão do líquido amniótico, a infecção também pode acometer o fígado e gânglios da veia cava e porta.

Além disso, quando há desvio circulatório do sangue para o ducto venoso, o M. tuberculosis pode acometer o pulmão. Esse órgão também pode ser acometido em caso de aspiração de líquido amniótico contaminado.

Por fim, a TB congênita também pode ocorrer devido à TB genital da mãe. Assim, a contaminação pode ocorrer na presença de endometrite ou cervicite. Ou ainda, através do contato com secreções vaginais infectadas.

Tuberculose perinatal

A TB perinatal ocorre quando o RN inala os bacilos devido a contato próximo com indivíduos contaminados, como a mãe, familiares, profissionais de saúde e materiais médicos ou através da ingestão do leite materno contaminado.

Assim, a transmissão do bacilo de Koch pode ocorrer no meio intradomiciliar, em indivíduos bacilíferos.

Todavia, em termos clínicos e terapêuticos, as diferenças entre a tuberculose congênita e a pós-natal são pouco significativas.

Quais são os sintomas?

O quadro clínico pode mimetizar um quadro de sepse bacteriana, manifestando-se com febre, letargia ou irritabilidade. E ainda, dificuldades respiratórias, linfadenopatias e hepatoesplenomegalia. 

O quadro clínico também envolve distensão abdominal, otorreia, lesões dermatológicas, anorexia e vômitos. Também podem estar presentes a diarreia com sangue, a icterícia, e convulsões. 

Além disso, o RN pode também apresentar cianose, apneia, ascite e pouco ganho de peso.  Por fim, anemia e plaquetopenia.

Dessa forma, o diagnóstico é difícil, pois pode simular outras infecções congênitas.

Assim, deve-se suspeitar de tuberculose no recém-nascido cuja mãe teve TB grave durante a gestação. Ou ainda quando, após o parto, o RN tiver história de contato familiar com TB.

Quais efeitos causados?

Na tuberculose congênita, os partos prematuros ocorrem em 50% dos casos. Além disso, possui alta taxa de letalidade, podendo ser superior a 50%, mesmo com tratamento adequado.

Como diagnosticar a tuberculose congênita e perinatal?

Em até metade dos casos de tuberculose perinatal e congênita é possível encontrar o padrão miliar no exame de imagem.

Raio-X e tomografia computadorizada evidenciando padrão-miliar. Fonte: https://www.scielo.br/j/bjid/a/3Q8KjsvfhNgfsC44WWMVc8J/?lang=en#
Raio-X e tomografia computadorizada evidenciando padrão-miliar. Fonte: Congenital tuberculosis: a case report 

Além disso, a ultrassonografia (USG) abdominal pode demonstrar focos miliares no fígado e baço. E ainda, macronódulos nas vias biliares. 

Dessa forma, podem ser necessárias biópsias de fígado e medula óssea para diagnóstico da TB nesses pacientes.

Por fim, caso a mãe esteja com a doença ativa no momento do parto, deve-se realizar o exame da placenta, e realizar o estudo histopatológico com cultura, a fim de evidenciar o M. tuberculosis

Como funciona o tratamento?

O tratamento desse público de pacientes segue o esquema básico de tratamento para Tuberculose. 

Entretanto, o etambutol, droga utilizada no esquema terapêutico de pacientes com idade ≥ 10 anos, é contraindicado nos RN, devido ao seu risco de provocar neurite óptica.

Fase intensiva

A fase deve ser feita no esquema 2RHZ, ou seja, com duração de 2 meses, com as drogas rifampicina, isoniazida e pirazinamida.

Fase de manutenção

Essa fase deve ser feita no esquema 4RH, ou seja, uso da rifampicina e da isoniazida por 4 meses, exceto nos casos tuberculose meningoencefálica ou osteoarticular, onde o tratamento deve se prolongar por 9 a 12 meses.

No grupo de pacientes que fazem este esquema terapêutico a estreptomicina está contraindicada devido ao seu potencial de ototoxicidade fetal.

Além disso, crianças com a doença devem fazer suplementação com a piridoxina (vitamina B6) na dose de 5 a 10 mg/kg, com objetivo de reduzir a potencial toxicidade neurológica da isoniazida.

Como realizar a profilaxia?

Todo RN nascido de mãe com TB ativa durante a gestação, ou com TB ativa no momento do parto, deve realizar a prevenção. 

Assim, a prevenção se inicia pelo diagnóstico precoce da mãe e, consequentemente, do tratamento precoce da genitora, a fim de diminuir os riscos de transmissibilidade ao feto e ao neonato.

Para a gestante, recomenda-se o esquema RHZE, associando-se ao esquema a piridoxina, na dose de 50 mg/dia, pelo risco de toxicidade neurológica ao RN.

É necessário também a realização de uma busca ativa e tratamento dos adultos que habitam a casa, para diminuir os riscos de transmissão da tuberculose perinatal.

Já os recém-nascidos em contato com indivíduos bacilíferos deverão ser vacinados somente após tratamento da TB ou da profilaxia primária. Assim, o RN não receberá a imunização com a BCG ao nascer.

Nesse caso, utiliza-se a isoniazida por 3 meses e, após esse período, realiza-se a prova tuberculínica (PT)

Se a PT for ≥ 5mm após o uso da isoniazida, deve-se mantê-la por mais três meses

Após esses 6 meses de tratamento, o RN não necessitará ser vacinado com a BCG, pois estará imune ao bacilo de Koch.

Entretanto, se após o uso da isoniazida a PT < 5mm, deve-se interromper a isoniazida e vacinar o RN.

Todavia, caso ele já tenha sido vacinado previamente com a BCG, mesmo com a suspeita, utiliza-se o H por 6 meses, não sendo necessária a avaliação pela PT. 

Após esse período, considera-se vacinar novamente a criança, devido ao bacilo potencialmente interferir na resposta imune da vacina.

Fluxograma para profilaxia de tuberculose no RN. Fonte: Manual de Recomendações Para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2019
Fluxograma para profilaxia de tuberculose no RN. Fonte: Manual de Recomendações Para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2019

Não há contraindicações para a amamentação do neonato, mesmo em mães infectadas, quando realizado os devidos cuidados, com o uso de máscaras. 

A exceção disso é quando a genitora apresenta a mastite tuberculosa, devido ao risco maior de transmissão do bacilo pelo leite.

Conclusão

A tuberculose congênita e perinatal, apesar de rara, pode provocar desfechos fatais para o neonato. 

Dessa forma, é imprescindível que o médico se atente sobre quando deve suspeitar de tuberculose nesse público, bem como saiba realizar a profilaxia da doença e entender as particularidades do tratamento.

Leia mais:

FONTE:

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Recomendações Para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília, DF, 2019.

Artigos relacionados

Ver todos
Este autor ainda não possui outros artigos publicados.
Ver todos
Teste por 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudo

Receba um acesso gratuito para testar todos os nossos recursos e tirar suas dúvidas!

Teste 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudos

Ao confirmar sua inscrição você estará de acordo com a nossa Política de Privacidade.