Estudo
Publicado em
4/2/22

Câncer Colorretal: Sintomas, Como Diagnosticar e Tratar

Escrito por:

Os tumores que se iniciam na parte inicial do intestino grosso conhecida como cólon e reto recebem o nome de câncer colorretal ou câncer de cólon e reto.

Por causa de sua origem, ele também é conhecido como câncer de intestino. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2020, este foi o segundo tipo de câncer que mais acometeu os brasileiros.

Assim, foram contabilizados 41.010 casos ao total, perdendo apenas para o câncer de mama, em mulheres, e o câncer de próstata, em homens.

Além disso, é o terceiro tipo que mais causa óbitos. Em 2019, foram registrados 20.576 óbitos, entre homens e mulheres. 

A detecção precoce do câncer de cólon e reto é fundamental para que o tratamento seja eficaz e a cura seja alcançada. Por isso, ficar atento aos sinais e sintomas do câncer colorretal é imprescindível.

Aqui você irá encontrar todos os detalhes sobre este tumor maligno: fatores de risco, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção.

O que é câncer colorretal ou câncer de intestino?

O que é câncer colorretal ou câncer de intestino

O câncer de colorretal, também conhecido como câncer de intestino ou câncer de cólon e reto, é um tumor maligno localizado primariamente no começo do intestino grosso, formado pelo cólon e pelo reto.

Ele atinge os homens e mulheres de maneira semelhante, contudo, possui uma incidência um pouco maior em homens.

Sendo tratável e, na maioria dos casos, curável se o diagnóstico for precoce, quando ainda não se espalhou para outros órgãos.

O principal tipo é o adenocarcinoma, já que em 90% dos casos ele se origina a partir de pólipos adenomatosos, uma espécie de crescimento anormal de tecido nas paredes do cólon e do reto, como se fossem verrugas.

Eles frequentemente aparecem após os 50 anos e com o passar dos anos podem sofrer uma diferenciação celular e vir a se tornar um câncer, por isso, devem ser retirados.

Ele é conhecido por ser um câncer silencioso. Isso porque, os sinais e sintomas aparecem, em geral, quando ele já se encontra em estados mais avançados.

Câncer colorretal: sintomas e principais sinais

Os tumores intestinais têm um crescimento lento e apenas quando se tornam grandes que manifestam sinais e sintomas. Ficar atento a eles para a detecção precoce é essencial. 

Veja a seguir.

  • Sangue nas fezes, com ou sem muco, vivo ou escuro;
  • Sangramento anal;
  • Mudança no hábito intestinal: prisão de ventre, diarreia crônica, necessidade urgente de evacuar com pouco volume de fezes;
  • Dor ou desconforto abdominal, tipo cólica, com gases e associado ao inchaço abdominal;
  • Alteração na estrutura das fezes: muito finas e compridas;
  • Massa (tumoração) abdominal;
  • Evacuações dolorosas;
  • Desconforto gástrico;
  • Sensação de esvaziamento intestinal incompleto;
  • Fraqueza, cansaço e anemia;
  • Perda de peso sem causa aparente; e
  • Náuseas e vômitos.

Muitas vezes o primeiro sintoma do câncer colorretal é a diminuição dos glóbulos vermelhos, mostrada no exame de sangue.

Vale salientar que essa apresentação clínica também está presente em outros problemas como hemorroidas, verminose, úlcera gástrica, síndrome do intestino irritável e inflamação do cólon.

Por isso é preciso fazer o diagnóstico correto, para que o tratamento seja iniciado o quanto antes.

Como diagnosticar o câncer colorretal?

Além dos sinais e sintomas do câncer colorretal, o médico deve se atentar ao histórico familiar do paciente e fazer o exame clínico.

Para mais, também é preciso fazer outros exames como o teste de sangue oculto, a colonoscopia e a radiografia.

A Organização Mundial da Saúde determina que é preciso realizar o rastreamento em pessoas acima de 50 anos, através do exame de sangue oculto de fezes.

Isso para países que estejam em condição de garantir a confirmação diagnóstica, referência e tratamento.

Assim, caso o sangue oculto seja constatado, deve ser solicitada uma colonoscopia ou retossigmoidoscopia, para visualizar a parte interna do intestino e verificar se há presença de câncer ou pólipos.

Teste de sangue oculto nas fezes (FOBT)

Através dele é possível identificar a presença de sangue nas fezes, contudo, não é possível saber qual a sua origem, se é advindo do cólon ou de outra parte do aparelho digestivo.

Desse modo, havendo a presença de sangue, é preciso fazer uma colonoscopia, para identificar a localização do sangramento.

Colonoscopia

Fonte: MSD manuals

A colonoscopia é utilizada para a visualização do reto e do cólon, através da inserção de um tubo fino com uma câmera na ponta.

Caso alguma área tenha algum aspecto suspeito ou haja um pólipo maior podem ser inseridos instrumentos para fazer a biópsia do local.

A biópsia é feita para determinar se é câncer colorretal, um tumor benigno ou o resultado de um processo inflamatório.

Já se durante o exame for identificado um pólipo pequeno, ele será retirado e deverá ser feita uma análise anatomopatológica.

Para mais, pessoas com mais de 50 anos, apresentando ou não os sinais e sintomas do câncer colorretal precisam fazer o exame rotineiramente.

Radiografia

A radiografia deve ser solicitada para visualizar alguma anormalidade no intestino e deve ser feita com contraste.

DNA das fezes

As células do câncer colorretal apresentam mutações no DNA de determinados genes, então esse exame se propõe a localizar essas anormalidades presentes no DNA das células cancerígenas.

Sigmoidoscopia flexível

Este exame é parecido com a colonoscopia. Sendo assim, permite detectar e/ou remover qualquer anormalidade que for identificada. No entanto, não examina todo o cólon, apenas a parte inferior.

Exames de sangue

Exames que podem ajudar no diagnóstico, assim como servem também para monitorar a doença são o hemograma completo, para identificar a anemia provocada pelo sangramento intestinal.

Também podem ser solicitados os marcadores tumorais. O mais comum para detecção desse câncer é o antígeno carcinoembrionárioa (CEA).

Outros exames como a ultrassonografia, ressonância magnética, tomografia computadorizada e angiografia são utilizados para determinar a localização e tamanho do câncer colorretal, e para verificar se há algum indício de metástase para os linfonodos, pulmões ou fígado.

Quais os possíveis tratamentos?

Quais os possíveis tratamentos

O tratamento depende essencialmente do tamanho, localização e extensão do tumor. Além da idade do paciente, do histórico e estado de saúde dele.

Dessa maneira, as chances de cura reduzem significativamente se houver a presença de metástases para órgãos como o fígado e os pulmões.

A cirurgia é o tratamento inicial para a doença. O tipo do procedimento cirúrgico depende do tamanho e localização do tumor.

Na maioria dos casos é feita a ressecção do intestino, onde a parte do intestino afetada é retirada.

Além disso, durante a cirurgia são retirados os gânglios linfáticos do abdome, para analisar se há células cancerígenas. O tratamento também pode ser feito com radioterapia, quimioterapia e imunoterapia.

Radioterapia

Procedimento utilizado antes ou depois da cirurgia, sobretudo no câncer de reto. Além disso, é indicado quando o tumor tem a localização próxima ao ânus e a sua remoção torna-se impossível.

Ademais, para diminuir a possibilidade de recidivas e aumentar a taxa de sucesso da ressecção é feito o tratamento padrão com a radioterapia pré-operatória e quimioterapia.

Quimioterapia

A quimioterapia apresenta bons resultados no tratamento de pacientes em estágios moderados. O que não pode ser dito para os casos de recidivas e muito avançados, uma vez que não costuma ser muito eficaz.

Imunoterapia

Normalmente é indicada como tratamento complementar a cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia.

Ela não só estimula como fortalece o sistema imunológico, para que reconheça e destrua as células cancerosas.

O que aumenta os riscos de câncer colorretal?

A alimentação é um fator essencial para aumentar ou diminuir o risco de desenvolver o câncer colorretal.

Dessa forma, uma alimentação não saudável pobre em fibras e rica em açúcar, em alimentos processados (linguiça, salsicha, mortadela, bacon) e embutidos aumentam o risco para a doença.

Assim como, a ingestão de carne vermelha (acima de 500 gramas por semana). O histórico familiar para esse tipo de tumor (parente de primeiro grau), o histórico pessoal para câncer de intestino, ovário, útero ou mama também são fatores de risco aumentado para este tumor.

Outros fatores relacionados ao aumento das chances de desenvolvimento da doença são:

  • A idade igual ou acima de 50 anos;
  • O excesso de peso corporal;
  • O tabagismo e a ingestão de bebida alcoólica;
  • Doenças inflamatórias do intestino, como a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn;
  • Doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar (FAP) e câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC);
  • Exposição ocupacional à radiação ionizante; e
  • Constipação intestinal: o contato prolongado com a parede do cólon e do reto é um fator de risco.

Como prevenir o câncer colorretal?

Manter uma vida saudável fazendo exercícios físicos e ingerindo alimentos naturais, ricos em fibras vegetais e minimamente processados contribuem para prevenir o câncer colorretal.

Sendo assim, deve-se aumentar o consumo de grãos, verduras, frutas, legumes, feijão, sementes e alimentos integrais, bem como consumir apenas 500 gramas de carne por semana.

O consumo de alimentos integrais, além de influenciar diretamente o funcionamento do intestino, também ajuda no controle do peso corporal, fator importante para a prevenção.

Não se expor ao tabagismo, não fumar, evitar os embutidos, as comidas processadas e o consumo de bebida alcoólica também ajudam a prevenir a doença.

Dúvidas frequentes (Guia rápido)

Como são as fezes de quem tem câncer no intestino?

As fezes podem ser muito finas e compridas, e, também, podem ter a presença sangue vivo ou escuro, acompanhada de muco ou não.

Quanto tempo leva para o câncer de intestino se manifestar?

O câncer colorretal demora cerca de 10 anos para se desenvolver, surgindo na maioria dos casos, a partir de pólipos.

Como saber se o câncer de intestino está avançado?

O câncer colorretal é conhecido por ter um desenvolvimento silencioso.

Assim, geralmente, a aparição de sinais e sintomas como sangue nas fezes, evacuações dolorosas, desconforto gástrico e sensação de esvaziamento intestinal incompleto mostram que o tumor já está em estado avançado.

Outra maneira de saber é através do estadiamento: são solicitados vários exames para saber em que lugar está o tumor, qual o tamanho e se já se espalhou para outros órgãos. 

Os pacientes no estágio III e IV encontram-se na fase mais avançada.

Conclusão

O câncer colorretal é silencioso e se desenvolve, geralmente, a partir de pólipos adenomatosos. Por isso, o tipo mais comum é o adenocarcinoma.

A má alimentação é o principal fator de risco para o desenvolvimento da doença. Então a prevenção passa pelo aumento do consumo de fibras vegetais como verdura, fruta e legumes, além da prática de atividade física.

Os sinais e sintomas do câncer colorretal são percebidos, normalmente, quando o tumor já está em estágio avançado. 

Vale salientar que eles não são exclusivos do câncer de cólon e reto e podem ser indicativos de úlceras gástricas, por exemplo.

Além disso, quando descoberto antes de se espalhar para outros órgãos é curável e tratável, depois da metástase as chances de cura diminuem significativamente.

Leia mais:

Manejo da Leucemia Linfóide Aguda no público pediátrico

Carcinoma de pulmão é a principal causa de morte em países industrializados

Carcinoma hepatocelular: do quadro clínico ao prognóstico

Artigos relacionados

Ver todos
Este autor ainda não possui outros artigos publicados.
Ver todos
Teste por 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudo

Receba um acesso gratuito para testar todos os nossos recursos e tirar suas dúvidas!

Teste 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudos

Ao confirmar sua inscrição você estará de acordo com a nossa Política de Privacidade.