Estudo

Metabolismo do Ferro

Você está na UBS, e seu preceptor pede para você chamar o próximo paciente que está esperando para ser atendido. Quem se levanta é seu Severino, que você atendeu mês passado, trazendo os exames que seu preceptor pediu após ele se queixar “fraqueza”, falta de apetite, queda de cabelo e palpitações. Ao olhar o hemograma de seu Severino, o valor da hemoglobina e da ferritina sérica está muito abaixo do normal. Seu preceptor pergunta a sua opinião sobre os exames, e você diz com firmeza que seu Severino tem anemia ferropriva (anemia causada pela deficiência de ferro).

Mas como a deficiência de ferro provoca a anemia? Como o ferro é absorvido pelo corpo e colocado em “estoques”, para ser usado caso a dieta seja deficiente? Qual a quantidade normal de ferro no organismo?

A ingesta do ferro se dá pela dieta. As principais fontes de ferro são a hemoglobina e a mioglobina da carne, que contém o ferro heme. O ferro não-heme é encontrado em vegetais, mas tem uma biodisponibilidade menor que o ferro heme e, por isso, é menos absorvido pelo intestino.

Após ser ingerido, o ferro vai chegar no duodeno e vai se ligar com uma proteína produzida pelo fígado e que vai ser secretada na bile, chamada apotransferrina.

A ligação do ferro com apotransferrina vai formar uma molécula chamada transferrina, e é por meio da transferrina que o ferro vai ser absorvido do TGI e vai ser levado ao plasma sanguíneo.

Essa absorção vai se dar de acordo com as necessidades metabólicas do indivíduo. Ou seja:

- Quanto mais ferro no corpo, menor a absorção do ferro; 

- Quanto menos ferro no corpo, maior a absorção do ferro;

A transferrina vai ser a responsável por carregar o ferro pelo plasma, impedindo a intoxicação por radicais livres, que pode ser causada pelo ferro livre. Além disso, a fraca ligação do ferro com ferritina facilita o deslocamento do ferro do plasma para o citoplasma celular, de acordo com a necessidade da célula. Quando há diminuição de ferro no organismo, há aumento da produção de transferrina pelo fígado.

Ao chegar no plasma, o ferro vai ter dois destinos: ele pode ser transportado do plasma para o citoplasma celular e, ao entrar na célula, vai ser armazenado em forma de ferritina. A ferritina vai ser a mais importante reserva de ferro do organismo, e vai ser degradada por lisossomos para liberar ferro de acordo com as necessidades metabólicas. Uma ferritina sérica abaixo de 15 ng/mL indica deficiência de ferro no organismo.

O receptor de transferrina vai ser encontrado em praticamente todas as células do corpo, mas vai ser encontrado especialmente em eritroblastos e células placentárias. O outro “destino” seria a entrada da transferrina por endocitose através desses receptores nos eritroblastos para a formar a hemoglobina, fundamental para o transporte de oxigênio pelo corpo.

Assim, a reserva de ferro no corpo é de 3-4 g, sendo que 65% desse ferro está presente apenas nas hemácias, em forma de hemoglobina! O resto vai ser armazenado por todo o sistema retículo-endotelial, mas principalmente no fígado, que vai ser o principal órgão armazenador de ferro no corpo.

A reciclagem do ferro se dá com a morte das hemácias, feita principalmente pelos macrófagos do sistema reticulo-endotelial, que vão fagocitar essas células mortas e fazer o armazenamento do ferro.

A excreção do ferro vai acontecer pelas fezes, visto que, em condições normais, o ferro filtrado pelo glomérulo vai ser reabsorvido pelos túbulos, tanto ligados a transferrina quanto em sua forma livre. Diariamente, 1-2 mg de ferro são excretados, sendo essa excreção mais preponderante nas mulheres por causa da menstruação.

Fontes das imagens:

http://radicaislivresunb.blogspot.com/2013/10/metabolismo-do-ferro.html

Fonte bibliográfica:

Guyton e Hall

https://www.uptodate.com/contents/regulation-of-iron-balance?csi=9739a0ec-54e4-4aae-a4d8-69e36e542a18&source=contentShare#H16