Estudo

Reflexo pupilar: você sabe interpretar os achados?

O reflexo pupilar avalia a motricidade intrínseca dos olhos. A íris, diafragma contrátil que controla a entrada de luz pela pupila, possui dois músculos que auxiliam a exercer essa função.

Um deles é o músculo esfíncter da pupila, estimulado por fibras lisas parassimpáticas que alcançam o olho através do nervo oculomotor (NC III). O outro é o músculo dilatador da pupila, que é estimulado pelo sistema simpático. 

A manutenção desse reflexo controla a quantidade de luz que penetra nos olhos, assegurando uma visão adequada ao paciente. 

Assim, a via aferente (sensitiva) que capta e interpreta o estímulo luminoso, é o nervo óptico (NC II). Por isso, no exame do reflexo pupilar, serão testadas as funções desse nervo e do nervo oculomotor.

Representação da captação e da resposta ao estímulo luminoso. Fonte: Thpanorama

Na representação acima é possível ver que o nervo óptico capta a luz que chega à retina, enviando a mensagem ao mesencéfalo. A partir disso, a via eferente (NC III) emite um estímulo para o músculo constritor da pupila, a fim de controlar a entrada de luz.

Leia mais

Como realizar o exame do reflexo pupilar?

Esse exame é realizado com uma lanterna, devendo-se estimular apenas um olho por vez. O estímulo luminoso deve ser aplicado no sentido lateral-medial do paciente, de maneira gradual, a fim de observar com cautela a constrição pupilar.

Reflexo direto

A resposta normal é a miose (diminuição do diâmetro da pupila) bilateral. Sendo o reflexo de constrição da pupila, em que se incide diretamente a luz, denominado reflexo direto.

Reflexo consensual

Já a constrição da pupila do olho contralateral à incidência do estímulo luminoso, é chamada de reflexo consensual. Para mais, a constrição pupilar deve apresentar igual magnitude.


Representação dos reflexos direto e consensual. Fonte: Optimetria Cuidados Primários da Visão
Representação dos reflexos direto e consensual. Fonte: Optimetria Cuidados Primários da Visão

Reflexo de acomodação

Ademais, após a incidência da luz da lanterna em ambos os olhos, deve-se realizar o reflexo de acomodação. Devendo ser feito aproximando um objeto -que pode ser a lanterna - do nariz do paciente, de maneira gradual. 

O paciente deve acompanhar o objeto com o olhar, sem mover a cabeça. A resposta esperada é, também, a miose bilateral. Para mais, ao realizar a busca pelos reflexos, deve-se observar se estes se encontram normais, abolidos ou diminuídos.

Como diagnosticar pacientes com lesões oculares?

Lesão unilateral do oculomotor

Nesse tipo de lesão, ao incidir a lanterna no olho do oculomotor lesado, espera-se encontrar midríase (diâmetro pupilar aumentado) homolateral.

Assim, não há resposta ao estímulo luminoso. Sendo essa condição denominada de midríase paralítica. Todavia o reflexo consensual encontra-se preservado.

Lesão bilateral do NC II

Nesse caso, ambos os reflexos: fotomotor direto e consensual encontram-se abolidos. Entretanto, o reflexo da acomodação está preservado, visto que o nervo responsável (NC III) encontra-se preservado.

Lesão do NC II ao lado direito

Quando o estímulo é aplicado no olho direito do indivíduo, ambos os reflexos -consensual e direto - encontram-se abolidos

Contudo, quando esse estímulo é aplicado à esquerda, ambos os reflexos estarão normais. Para mais, o reflexo consensual também se mantém normal.

Fontes:

  • PORTO, C. C. Semiologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.
  • MARTINS JR. Carlos Roberto; FRANÇA JR., Marcondes C. et at. Semiologia Neurológica, 1. Ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2017.