Covid-19

Entenda O Que É Exame RT PCR, Como Funciona e Quando Fazer?

A partir da descoberta do vírus SARS-COV-2, foram desenvolvidos vários métodos diagnósticos para a sua detecção – dentre eles o exame RT-PCR, considerado o padrão-ouro para o diagnóstico da Covid-19

E, mais recentemente, lançamos mão do RT-LAMP.

Esses testes são capazes de detectar o coronavírus ativo no organismo.

Apesar dos exames de antígeno serem considerados os mais acurados, possuímos outros testes capazes de identificar contato com o vírus e o desenvolvimento da doença por ele causada, a Covid-19. 

Estamos falando das sorologias IgG, IgM e dos testes de anticorpos totais.

O PCR e o LAMP são as técnicas mais precisas para o diagnóstico da Covid-19. Esta última já é utilizada desde os anos 2000 para o diagnóstico de doenças infecciosas, tais como zika, influenza, ebola e dengue

Neste texto falaremos mais sobre estes dois exames, apontando as principais diferenças entre eles.

O que é o exame RT-PCR?

O que é o exame RT-PCR?

O exame RT-PCR é o teste utilizado para identificar a infecção ativa causada pelo SARS-COV-2.

Considerado o padrão-ouro, ele detecta o vírus na fase aguda da Covid-19. Assim, quando realizado no período correto, é capaz de confirmar a doença.

A sigla RT-PCR vem do inglês e significa "reação de transcriptase reversa seguida de reação em cadeia da polimerase". Ele é o exame responsável pela detecção do material genético do vírus (RNA).

Como funciona o teste molecular RT-PCR?

Atualmente, existem dois tipos desse exame: o RT-LAMP e o RT-PCR (swab nasal).

O RT-PCR (swab nasal) é o mais conhecido. Por meio dele é coletada a amostra das secreções respiratórias da nasofaringe.

Para isso, é utilizado um cotonete comprido – o swab –, já que a coleta da amostra da parte posterior do nariz precisa ser profunda.

Depois da coleta, já no laboratório, o material genético é extraído e são adicionados reagentes específicos para detectar o genoma do vírus (RNA). Se na amostra houver RNA, ele será amplificado até ser identificado por fluorimetria.

Como funciona o teste molecular RT-LAMP?

Desenvolvido pela Plataforma Científica Pasteur USP em parceria com a Fiocruz, o RT-LAMP não é invasivo, já que é feita uma coleta da saliva – o próprio paciente deposita cerca de 2 a 5 mL num tubo coletor estéril.

Posteriormente, no laboratório, o material genético do SARS-COV-2 (RNA) é convertido em DNA complementar (cDNA) na polimerase por meio da enzima transcriptase reversa.

Então, esses cDNAs são amplificados em banho-maria a uma temperatura de 65° C.

Caso seja observada uma grande quantidade de material genético, a amostra salivar com reagente de coloração rosa fica amarela e o teste é considerado positivo.

Este teste encontra como limitação a baixa carga viral, segundo seus desenvolvedores. Caso ocorra, ele fica com coloração alaranjada, sendo considerado inconclusivo e devendo ser repetido.

Pode ser realizado o RT-PCR para evitar um falso diagnóstico.

Os pesquisadores demonstraram num artigo publicado no scientific reports que a capacidade do RT-LAMP para detectar casos positivos é de 90% (sensibilidade) e a capacidade de excluir os casos negativos é de 100% (especificidade).

Ambos os exames têm um bom desempenho, estabelecendo diagnósticos bastante precisos. Eles possuem uma taxa de acerto grande ao diferenciar os infectados dos não-infectados.

Qual a diferença entre o exame pela saliva e por swab?

Qual a diferença entre o exame pela saliva e por swab?

A principal diferença é a forma como os testes são coletados. O exame RT-LAMP não é invasivo, já que faz coleta de saliva.

Ao contrário do que é feito com o swab – que coleta secreção da nasofaringe, é invasivo e pode causar náusea e vertigem.

Além disso, é menos desconfortável e tem menos etapas de processamento, o que diminui o tempo de entrega do resultado. Ele pode ser entregue no mesmo dia ou no dia seguinte.

O RT-LAMP também oferece menor perigo aos profissionais de saúde, uma vez que o próprio paciente pode fazer a coleta.

A diferença de preço também é algo que chama atenção, sendo o RT-LAMP mais barato. De acordo com o virologista Edison Durigon para o Jornal da USP, ele custa 1/3 do valor do RT-PCR.

Isso se dá por causa do processamento. O RT-LAMP pode ser feito em qualquer laboratório; já o teste padrão-ouro, o RT-PCR, precisa de laboratório especializado com equipamentos caros e específicos.

Além do mais, para ser realizado, o exame RT-PCR necessita de uma equipe treinada. Tudo isso encarece o exame e torna mais difícil a sua democratização.

Quando o exame RT-PCR e o RT-LAMP devem ser feitos?

A Fiocruz recomenda que o exame RT-PCR seja coletado no início da Covid-19, entre o 3º e 7º dias de sintomas – pois na primeira semana a carga viral é maior.

O RT-LAMP tem recomendação de ser realizado a partir do 5º dia do início dos sintomas.

Vale salientar que os testes só são confiáveis quando feitos no momento adequado. Portanto, é preciso saber a fase da doença para coletar a amostra, para não ter como resultado um falso-negativo ou falso-positivo.

Eles podem levar à disseminação da infecção por não determinarem quem está realmente infectado – e, por outro lado, a quarentenas desnecessárias.

Resultado falso-negativo

O falso-negativo se dá quando o indivíduo está com o vírus, mas o resultado é negativo.

Se a investigação for feita muito próxima da suspeita de infecção pelo vírus ou muito depois, ele pode não ser detectado mesmo que esteja no organismo do indivíduo.

Alguns outros fatores que podem levar a esse resultado são:

  • A carga viral;
  • A resposta imune do hospedeiro;
  • O uso de medicamentos imunossupressores ou a presença de doenças imunodepressoras.

Resultado falso-positivo

Ao contrário do falso-negativo, ocorre quando o indivíduo não está com o vírus mas o resultado é positivo.

Fatores que podem interferir nos resultados e levar a esse quadro são:

  • Reação cruzada com outros coronavírus ou com outras infecções;
  • Problemas técnicos na execução do exame.

Quem deve fazer os exames RT-PCR e o RT-LAMP?

RT-PCR

Pessoas com sintomas da doença

Indivíduos que estejam entre o 3º e 10º dia de sintomas como: febre, tosse seca, cansaço ou com algum outro sintoma característico da Covid-19

Pessoas sem sintomas da doença

Também devem fazer o exame RT-PCR aquelas pessoas que tiveram contato recente com outras que tenham testado positivo para a doença, ou ainda quem planeja realizar uma viagem internacional.

Outros exames para detectar o coronavírus (como o RT-LAMP) são aceitos também, mas apenas por algumas companhias aéreas. 

Ademais, também é feito no pré-operatório de cirurgias eletivas.

RT-LAMP

Pessoas com sintomas da doença

O RT-LAMP deve ser feito a partir do 5º dia de sintomas como: febre, tosse seca, cansaço ou algum outro sintoma característico da Covid-19.

É um método bastante usado em pessoas que não conseguem fazer a coleta por meio do Swab, a exemplo das crianças e idosos.

Pessoas sem sintomas da doença

Quem teve contato recentemente com alguém diagnosticado com o coronavírus também pode fazer o exame.

Além disso, ele pode ser realizado em situações de surtos ou em ambientes específicos. Afinal, sua análise conta com menos etapas – logo, o resultado sai mais rápido e permite um isolamento mais ágil.

Quais as limitações do exame RT-PCR?

O exame RT-PCR só é capaz de identificar a infecção ativa, por isso não é útil para diagnosticar infecções prévias. 

Por ser complexo, requer profissionais treinados e laboratórios com equipamentos específicos.

Além disso, o exame precisa seguir protocolos técnicos e de biossegurança, tendo laboratórios especializados em sua realização.

Esses fatores dificultam a testagem em massa e tornam o teste mais caro, diminuimdo sua disponibilidade no mercado quando comparado a outros testes – como, por exemplo, o de anticorpos.

Conclusão

A complexidade do exame RT-PCR permite que ele seja considerado o padrão-ouro dos testes responsáveis por detectar a Covid-19, com uma taxa de diagnósticos assertivos muito alta.

O RT-LAMP não fica muito atrás, também com uma precisão diagnóstica boa – sendo mais rápido e menos invasivo.

A escolha desses e de outros tipos de exames para estabelecer o diagnóstico de Covid-19 deve levar em conta os dias de sintomas.

Dessa maneira, é muito importante saber qual teste solicitar baseando-se no tempo da manifestação dos sintomas, para não gerar como resultado um falso-positivo ou falso-negativo.

Leia mais:

Sintomas das Variantes da Covid: Quais os mais Comuns?

Infecção causada pela Covid-19 diminui a fertilidade masculina

Covid-19: Prednisona trata a doença pulmonar resistente