Estudo
Publicado em
28/1/21

Doença meningocócica no público pediátrico: do diagnóstico ao tratamento

Escrito por:

A maior epidemia de meningite que o Brasil já enfrentou foi em 1971, durante o regime militar. Muitas pessoas morreram sem receber o diagnóstico definitivo da doença. Essa não podia ser noticiada porque, nessa época, o país estava no auge do “milagre econômico”, e o governo negava qualquer problema sanitário no país. Hoje em dia, a doença meningocócica é endêmica no Brasil, e sua incidência vem diminuindo muito ao longo dos anos (1/100 000 casos entre 2014 e 2016). Apesar da maioria dos surtos e epidemias ocorrerem entre adolescentes e jovens adultos, 30% dos casos notificados ocorrem em crianças menores de 5 anos, e os maiores coeficientes de incidência são encontrados em lactentes no seu primeiro ano de vida. Por isso, fique atento para mais um post sobre uma doença que é considerada uma urgência pediátrica: a doença meningocócica.

A Neisseria meningitidis, mais conhecida como Meningococo, é um diplococo gram-negativo aeróbio e imóvel, que coloniza a nasofaringe do homem. Possui vários sorotipos, entre eles o A, B, C, W, X e Y, que são os mais invasivos e, por isso, os principais responsáveis por causar pandemias. A N. meningitidis, ao fazer permutação, tem a capacidade de mudar seu sorotipo, o que representa um alerta para a saúde pública, uma vez que as vacinas disponíveis são sorotipo específicas.

O Meningococo é transmitido através do contato direto com secreções respiratórias, e os portadores assintomáticos da bactéria podem contribuir para a disseminação da doença. Esses vão desenvolver os anticorpos para combater a bactéria e, eventualmente, se tornarão imunes. O período de transmissibilidade da doença vai durar até o desaparecimento do meningococo da nasofaringe, normalmente 24 horas após o início da antibioticoterapia. O período de incubação é normalmente entre 3-4 dias, mas pode variar entre 2-10 dias.

Os principais fatores de risco para desenvolvimento da doença são infecções respiratórias prévias (em especial a Influenza!), aglomeração nos domicílios, residência em quartéis e acampamentos, alojamento de estudantes, tabagismo passivo ou ativo e piores condições socioeconômicas.

A doença meningocócica pode se manifestar com sintomas inespecíficos, mas são comuns os sinais e sintomas de febre, calafrios, mal estar, mialgia, dor em membros e rash maculopapular, que pode se apresentar como petéquias ou púrpuras (mais de 50% dos pacientes com doença meningocócica apresentam petéquias, normalmente no tronco e membros inferiores). Aproximadamente 90% dos pacientes vão apresentar pelo menos dois desses sintomas: febre, rigidez de nuca, alteração do estado mental e rash cutâneo, e 30% vão apresentar a tríade: febre, rigidez de nuca e alteração do estado mental. As formas clínicas mais comuns da doença meningocócica são a meningite (presente em aproximadamente 70% dos casos) e a meningococcemia, uma infecção generalizada que pode (não necessariamente!) ser acompanhada de meningite.

Se o paciente apresentar suspeita de meningite, é preciso fazer a pesquisa dos sinais de Kernig e Bruszinki, que vão indicar a presença de irritação meníngea. Entretanto, é importante enfatizar que a ausência desses sinais não exclui a possibilidade de uma meningococcemia. A pesquisa de irritação meníngea em lactentes é bastante difícil; por isso, analisa-se a fontanela bregmática. Quando há abaulamento (aumento da tensão da fontanela), associado a febre, irritabilidade, inapetência e vômitos, então suspeita-se de meningite. Já em neonatos, a pesquisa de meningite é ainda mais difícil: febre nem sempre está presente, e a suspeita de meningite se dá quando o paciente apresenta hipotermia, recusa alimentar, cianose, convulsões, apatia e irritabilidade, respiração irregular e icterícia.

Para realizar esse exame, o médico fletir a cabeça do paciente e, se houver inflamação nas meninges, o paciente vai reagir involuntariamente flexionando os membros inferiores.

O médico deve fazer a flexão da coxa de uma perna do paciente. Ao tentar fazer a extensão passiva da perna, o paciente vai relatar dor e vai haver limitação para realizar o movimento, devido a rigidez da nuca.

Na apresentação fulminante da doença, o aparecimento da púrpura associado ao choque vai caracterizar a purpura fulminans: um quadro grave, de aparecimento súbito, que vai provocar necrose hemorrágica das glândulas suprarrenais. O paciente pode apresentar febre, cefaleia, mialgia e vômitos, seguidos de palidez, sudorese, hipotonia muscular, taquicardia, pulso fino e rápido, queda da pressão arterial, oligúria e má perfusão periférica.

A meningocóccemia possui uma taxa de letalidade acima de 40%, e aproximadamente 20% das crianças com meningite meningocócica vão apresentar convulsões. Outras possíveis complicações da doença meningocócica são a hidrocefalia, paralisia dos nervos cranianos, efusão subdural, aumento da pressão intracraniana, vômitos, perda auditiva (em 12,5% dos casos), amputação de membros, sequelas neurológicas e cicatrizes cutâneas.

A análise laboratorial pode ser dada de várias formas. A cultura vai ser feita através da coleta de sangue, da punção lombar para coleta do LCR ou pelo raspado das lesões cutâneas. Esse exame é considerado o padrão ouro para diagnóstico de doença meningocócica porque possui alto grau de especificidade e, quando a bactéria é identificada, também serão avaliados o sorogrupo e sorotipo. A bacterioscopia direta, o PCR e a aglutinação pelo látex são opções de exame para avaliar a meningite.

Outro exame que pode ser feito é quimiocitológico do LCR, que vai indicar a intensidade do processo infeccioso. Serão avaliados a contagem de células brancas, a dosagem da glicose e das proteínas. Entretanto, não deve ser usado para dar diagnóstico, porque é um exame de baixo grau de especificidade. Os achados que indicam uma meningite de etiologia bacteriana são a pleocitose (acima de 1000 células brancas) com predominância de neutrófilos, o aumento do número de proteínas no líquido cefalorraquidiano (entre 100-500 mg/dL) e a diminuição da concentração de glicose (há redução dos níveis de glicose de

Mesmo com a suspeita da meningite, alguns diagnósticos diferenciais precisam ser levantados, como as doenças exantemáticas (dengue, febre amarela, hantavirose) e doenças do trato respiratório superior (no caso da bacteremia sem sepse). Em caso de sepse, é preciso avaliar as causas por outras etiologias, em especial o Pneumococo e o H. influenzae tipo B, uma vez que a meningite meningocócica é indistinguível de uma meningite causada por essas duas bactérias. Além disso, a doença maculosa, doença de Weill, malária e endocardite bacteriana também são possíveis diagnósticos diferenciais a serem pensados e pesquisados.

O tratamento precisa ser iniciado o mais precocemente possível, de preferência após punção lombar e coleta de sangue para hemocultura, para não haver alteração dos resultados. Mas é preciso priorizar o tratamento empírico do que fazer a coleta desses exames, portanto, caso haja algum atraso para realizar a coleta, é preciso iniciar o tratamento. Em crianças, são usadas a penicilina G cristalina, na dose de 200.000-400.000 UI/Kg/dia, a cada 4 horas; ou a ampicilina, na dose 200-300mg/Kg/dia a cada 6 horas; ou a ceftriaxona 100mg/Kg/dia, a cada 12 horas. Independentemente da escolha do tratamento, os medicamentos precisam ser administrados por 5-7 dias, pela via EV.

Fontes:

KAPLAN, Sheldon L. Bacterial meningitis in children older than one month: Clinical features and diagnosis. UpToDate. 2020. Disponível Aqui

Doença Menigocócica Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Pediatria; 2015, volume 3.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Doença Meningocócica. Brasília, DF, 2020.

Artigos relacionados

Ver todos
Este autor ainda não possui outros artigos publicados.
Ver todos
Teste por 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudo

Receba um acesso gratuito para testar todos os nossos recursos e tirar suas dúvidas!

Teste 7 dias grátis

Experimente a nossa plataforma de estudos

Ao confirmar sua inscrição você estará de acordo com a nossa Política de Privacidade.