Estudo

Denosumabe: um importante aliado contra a osteólise sintomática

Estudo realizado no Hospital-escola Sheffield, no Reino Unido, e publicado pela revista científica ‘the lancet rheumatology’, no último dia 11 de janeiro, apontou o denosumabe como um grande aliado para pacientes que apresentem osteólise sintomática. Sendo essa uma consequência muito comum da artroplasia total de quadril, uma única injeção do medicamento pode reduzir a necessidade de uma cirurgia de revisão.

A artroplasia total de quadril é uma cirurgia responsável por substituir a articulação desgastada do quadril por uma prótese de plástico ou de cerâmica. A necessidade de uma revisão surge em decorrência do afrouxamento asséptico, causado pela osteólise, que resulta do desgaste da prótese. Desse modo, o processo da osteólise se inicia a partir do momento no qual o desgaste do quadril artificial libera partículas de plástico. Isso acaba gerando uma reação auto-imune, pela qual o osso ao redor do implante é atacado, fazendo com que a articulação afrouxe.

De centro único, o ensaio clínico de fase 2 mostrou que o denosumabe reduz a atividade de reabsorção óssea no tecido da lesão osteolítica, ou seja, o remédio reduz a remodelação óssea. Além disso, uma única dose injetável foi bem tolerada pela população de estudo (22 pacientes). Esses indivíduos já tinham realizado a artroplastia total e estavam com a cirurgia de revisão agendada, pois apresentavam osteólise total.

Os pacientes foram randomizados para receber uma única dose de 60 miligramas do medicamento ou de placebo. Durante a análise entre os dois grupos, percebeu-se que o número de osteoclastos por milímetro de membrana osteolítica na interface osso-membrana era menor no grupo do denosumabe. A quantidade de osteoclastos na interface era 83% menor em comparação com o grupo placebo.

Os outros achados histológicos também foram mais favoráveis para quem recebeu a injeção. O comprimento da superfície erodida e da superfície do osteoblasto, além do número de osteoblasto também sofreram uma significativa redução. Para além disso, os marcadores séricos e urinários de reabsorção óssea também sofreram uma queda aguda, uma vez que, o denosumabe é um antirreabsortivo.

Tabela 1. Desfechos secundários com denosumabe versus placebo após oito semanas

Tudo isso ocorreu antes da cirurgia de revisão, realizada na oitava semana após o estudo. Diante disso, foi constatado que a medicação, muito utilizada para o tratamento de osteoporose, tem um potencial para prevenir metade das cirurgias de revisão de artroplastia que são causadas pela osteólise.

Por isso, os cientistas apontam a necessidade de mais ensaios clínicos para estudar a doença em estágio inicial, testando o denosumabe na prevenção ou redução da necessidade de uma revisão. Por fim, o estudo representa uma esperança para quem passa pela artroplastia total de quadril, pois a morbidade e a mortalidade são maiores nas pessoas que fazem a cirurgia de revisão. Ademais, ela também aumenta o risco de infecção e de outras complicações.

Fonte: