Covid-19

Maskne: Entenda a relação entre a acne e o uso de máscaras

Em tempos de pandemia do Coronavírus e com o uso obrigatório de máscaras rotineiramente, tem sido cada vez mais comum notar alterações na pele do rosto. A mudança de hábitos e alimentação pode ser um grande causador do aparecimento de cravos e espinhas, mas o uso das máscaras de proteção propiciam o aumento da acne. Para a segurança de quem está precisando sair de casa, elas se tornaram indispensáveis, sendo incluídas como acessório comum.

Enquanto ainda estamos no período de quarentena, o ideal é redobrar os cuidados com a pele, pois o uso do acessório a longo prazo tem provocado uma reação conhecida por “Maskne”, que nada mais é do que o surgimento de acnes, espinhas e até dermatites.

O termo derivado do inglês Mask’s acne, que em tradução literal significa: a acne causada pela máscara, e apesar de não ser um termo habitual, até então, não é um fenômeno novo. Profissionais da saúde, que trabalham usando a máscara por longos períodos já sentiam o impacto do acessório. Mas, agora, com grande parcela da população usando o tecido no rosto, o termo ficou mais conhecido e as dúvidas começaram a surgir.

O que causa a Maskne?

Quando você respira ou fala, sua máscara tende a reter muito ar quente. Além de irritante, esse ar cria um ambiente quente e úmido, fazendo com que as glândulas sebáceas aumentem a oleosidade da pele, justamente na região em que a máscara é utilizada. Ou seja, um cenário ideal para o aparecimento de acnes na região do queixo, mandíbula e toda região superior da maçã do rosto.

Como evitá-la?

A máscara se tornou uma vilã da pele facial, mas não significa que devemos deixar de usá-la, inclusive médicos alertam que neste momento, o mais importante é evitar ser contaminado com o vírus – que é muito mais grave. Preocupações com a estética devem ficar em segundo plano, ou seja, para a sua segurança e das pessoas ao seu redor, MATENHA O USO DA MÁSCARA! Então, para driblar esses problemas, manter a rotina de cuidados com a pele é fundamental neste momento, através do uso de hidratantes, protetor solar, cremes específicos para a pele do rosto.

Como cuidar da pele?

É importante que a pele esteja sempre limpa ao colocar a máscara, tentando lavar o rosto duas vezes ao dia, com sabonete específico para cada tipo de pele; Evite tomar banho com água muito quente, para que não haja um rebote de oleosidade e hidrate o rosto com um creme próprio para a região facial, dessa forma, é possível evitar o atrito e pressão na pele.

A maquiagem, que é indispensável para a maioria das mulheres, também pode piorar a situação da pele. Vale lembrar de jamais dormir com ela no rosto! Especialistas ainda garantem que este seria um momento adequado para diminuir o uso, se for o caso.

Como escolher a máscara ideal e quais cuidados com ela?

O tecido espesso das máscaras normalmente cria um ambiente mais escuro e úmido na região da boca e nariz, o que favorece a proliferação de bactérias, inflamação da pele e uma piora das alergias. A recomendação é, quando possível, optar por tecidos macios ao escolher a máscara, como o algodão, por exemplo, pois panos ásperos podem causar mais atrito à pele. Sendo assim, é crucial utilizar um tecido que, em primeiro lugar, ofereça segurança: tecidos macios, sim, panos finos, jamais! Já sobre a manutenção, o conselho é tratar sua máscara como uma roupa íntima. Lave após o uso, para que o seu rosto não fique em contato direto com o suor, sujeiras e bactérias do dia a dia. Esse processo também é fundamental para o controle de infecções.

Quando devo procurar um médico?

Se mesmo tomando os devidos cuidados com a pele, a Maskne estiver cada vez mais grave, é bom não hesitar em buscar um médico especialista. Em situações mais complexas, as acnes podem evoluir para um quadro inflamatório e deixar cicatrizes, poros superdilatados, entre outras prováveis complicações. No meio de um possível terror cutâneo, temos uma boa notícia: a Maskne é mais fácil de se curar do que a acne comum, porque não é determinada por predisposição genética ou fatores hormonais.